HQ triste

De LEANDRO RESENDE.

Vida simples não tem trilha sonora.

Leonice teve infância modesta e adolescência besta.

Não pela pobreza, mas pelo estupro.

O estupro esmagou a pequena Leonice.

Antes era ingênua e tímida, mas pensava em tudo.

(Menos no estupro.)

Ela queria doces, vestidinhos, sorvetes, um quarto.

Alegrezinha, ela cantava, antes, no coral da igreja.

Sabe quem é Deus depois de um estupro?

Sabe o que canta agora?

(…)

De um lado para o outro, o corpinho anda pelo jardim, no fundo da casa, enquanto a mãe lava roupas. Sem olhar, uma vigia a outra. De cabeças baixas, respiram no mesmo ritmo, pensam na mesma velocidade, no mesmo assunto. Elas pensam no estupro. As duas sabem que não podem se perder de vista. Uma reza quando há tempos e a outra, nem lembra mais de Deus. A filha se sente mãe, mesmo com o filho ainda do tamanho de um feijão. Ela pensa em feijões, pensa no nome do filho e nas roupas que a mãe lava. Anda de um lado para o outro, pensativa. E pensa que não comprou roupas para o filho – que será só dela. Quando ele nascer, todos cansem de pensar e esqueçam o que aconteceu porque vai ter mais roupa para lavar e ele vai viver no quintal e na sala (correndo) e mais serviço de comidinha e mais roupas para lavar…

Por enquanto ela vigia as roseiras no jardim e arranca e pisa nas flores que tentam nascer. Ela diz pra si mesma que não nascerão mais flores naquele quintal.

.


%d blogueiros gostam disto: