Assassinando Palavras

Laços alvos do cadarço de algodão sob minuciosa satisfação.
Branco da sola e verde da lona harmonizando reflexo agradável de si nos pés.
Meia alaranjada coberta pelo jeans.
Vai depois de porta fechada brotando verdes no chão tal qual tênis semeasse calçada ao invés de pegadas.
Debaixo do braço um dicionário.
No bolso grampeador.
Ela teme olhos.
Fazer então como lagartixas que se camuflam na paisagem.
Apertar pálpebras para camuflagem.
Deixa de somar distância de casa quando encontra a entrelinha certa do lugar. E num descuido do acontecimento das coisas encontra o momento ideal: rapidamente tira das axilas o livro e saca um grampeador do bolso.
Prega duas páginas.
Volta para casa com a missão cumprida.
Liga o rádio:
O tempo nublado da região sudeste do Brasil está para as violetas, que poderão sair dos recantos de luz indireta das casas diretamente para os jardins que dão para a rua.


%d blogueiros gostam disto: