Brasil Pandeiro

Daniela Mendes

da série: Não seria trágico se não fosse música

Deixa de bestagem Bastião! Esse exemplo num é bão! Olha, o suicídio é a pior das traições, compadre. Porque trair a si mesmo é o máximo da imoralidade. Imagine, lembra do homem que dizia que queria morrer numa batucada de bamba e anos depois tomou veneno com guaraná? Você acha isso bonito? Culpar a vida que não teve botando termo nela? Eu hein! Curuis, Bastião. Entendo que coerência tem um preço alto, mas e a valentia do nome dele? Usou toda para desistir? Ironia é um troço que me faz rir, mas num conforma não. Um pouco antes da tragédia a vida agarrou ele pelas calças. Chamaram os bombeiros, a imprensa toda ficou sabendo e olha só que vergonha, meu Deus!  Tentou pular lá da pedra e ficou agarrado nas árvores. Que coisa né? Mas você acha que ele acreditou que isso era um sinal de imortalidade? Não.

Então compadre, vem para cá que a sorte pode ainda ser pior para você. Imagina se você pula e ao invés de morrer fica vegetando. Aqui não é tão alto não. Agora eu te pergunto: Traição não é caso de morte! Veja só o caso do homi. Comé que alguém pode dizer que foi traído por todo mundo e depois ele mesmo se trair? Ora! Eu vou te falar. Todas as pessoas, eu acredito, uma hora ou outra fica mesmo amuado da vida, sabe? E aí passa assim pela nossa cabeça… Ô Bastião! Tô te falando, é desjeito homem! Você deve ter sim pensado numa besteira dessas, mas deixa pra lá. É que para certas pessoas estas idéias passam depressa e para outras elas ficam ali se repetindo feito disco arranhado. Compreende a fragilidade do vinil? Mas na vida da gente certas músicas têm que ser puladas. Principalmente as arranhadas. O que não significa que elas têm que ir direto pro fim não. Pelo amor de Deus amigo! Confunde não.

A gente tem que entender, Bastião, que tem outras músicas no disco. Você está me entendendo? Ô Compadre! Você é burro mesmo! Olha aí, o Pepeu e tanta gente jovem, tantos anos depois, tocando o homem no violão. E ele que pensava que ia ser esquecido e por isso se matou. Precisava vestir uma cueca na cabeça por causa do Elvis Presley?

É tudo música e música ó: roda, compadre! E se roda volta e vai, feito figura de baralho, num tem essa de ficar por cima ou por baixo não! O negócio é bater a chapa e guardar ela bem no coração. É isso que se tem que fazer. Por isso que quero logo mudar o rumo dessa prosa. Eu não quero lembrar do dia que a alegria traiu o seu povo porque isso é coisa do Tio Sam. Nós, bronzeados, temos outro valor, Bastião! Então levanta daí, esquenta seu pandeiro, esquece essa apendicite e vamos olhar as cadeiras da Florisbela lá no Grajaú. Anda, amigo, desce daí e me serve uma branquinha aqui… A cachaça alivia a pele, porque pra nós, Bastião, cacete no couro é samba, né não?


%d blogueiros gostam disto: