Edição 42

Richard Kalvar (perspectiva surreal)

“A razão cria cárceres mais escuros que a teologia. O inimigo do homem se chama Urizel (a Razão), o “deus dos sistemas”, o prisioneiro de si mesmo. A verdade não precede a razão e sim à percepção poética, isto é, da imaginação. O órgão natural do conhecimento não são os sentidos nem o raciocínio; ambos são limitados e na verdade contrários à nossa essência última, que é desejo infinito: “Menos do que tudo não pode satisfazer o homem”. O homem é imaginação e desejo”.
[Otávio Paz, trad. de Sebastião Uchoa Leite]

Dos Colaboradores,

Gerusa Leal, de vidro transparente – com prescrições eu irei te preencher para facilitar a tua vida dolorosa
Leandro Resende, Primeiro Epílogo
Lúcia Bettencourt, A morte e a donzela

[Imagem: Richard Kalvar.]
Anúncios

%d blogueiros gostam disto: